domingo, 27 de março de 2016

Um ‘sem-abrigo’ alberga-se no edifício ‘O Trabalho’ num canto nauseabundo. Todos o sabem menos os Serviços Sociais...

“-No edifício “O Trabalho” vive um sem-abrigo, num canto do prédio onde antigamente se fazia a entrada para o pequeno centro comercial que ali se situava. 
Ali, ele se refugia e se tenta abrigar do frio, vento, chuva, calor, moscas, mosquitos e outros bichos, cercado por volumosos marcos de obras que se costuma ver a delimitar as estradas. Ora eu, estranhando a situação há muito vista, estive a falar com ele, que me disse que não tem outro sítio para onde ir e que nunca ninguém da Câmara ou dos Serviços Sociais falou ou se interessou por ele.
Pensei para mim que se ele fosse um refugiado estaria ‘safo’! 
Por vezes fala alto e sozinho, ‘refila’ com as paredes, e o que lhe vai valendo são algumas pessoas que o vão ajudando no que podem! 
À noite ele faz as suas necessidades mesmo ao lado e, claro, nota-se por ali um cheiro nauseabundo, isto mesmo ao lado da estrada que dá acesso ao mercado, quase que ‘portas-meias’ com um restaurante e mesmo em frente às Finanças! 
Pois, é uma situação que toda a gente sabe menos os tais ditos cujos… e se é que existem!... Serviços Sociais!” 
(Compilada de texto publicado no Mural do Facebook de José M. Santos)

1 comentário:

Anónimo disse...

Se ainda disse em frente da câmara.
Agora nesse local é um pormenor citadino.

CLIQUE EM MENSAGENS ANTIGAS E CONTINUE A LER 'O PALHETAS NA FOZ'
=================================================================

Translate this newspaper for other languages

---------------------------------------------------------------------------------------------------